Escritor que ficou em estado vegetativo por 14 anos diz que Deus era sua companhia constante

martin-pistorius

Martin Pistorius, aos 12 anos de idade, foi acometido com uma doença desconhecida, que o deixou numa cadeira de rodas e incapaz de falar. Por 14 anos, foi mantido em instituições pois os médicos presumiam que ele teria sofrido danos cerebrais severos e irreversíveis, e que estava inconsciente.

No entanto, em 2001, ele readquiriu a capacidade de se comunicar usando um software de computador, e revelou que, ao final de tudo, sua mente estava intacta o tempo todo, limitada porém, pela incapacidade física decorrente da doença.

A partir daí, Pistorius passou a relatar tudo que viveu no período, e se dedicou a escrever um livro que relata sua vida preso ao próprio corpo. Intitulado “Ghost Boy: The Miraculous Escape of a Misdiagnosed Boy Trapped Inside His Own Body” (em tradução livre para o português, “O menino fantasma: a milagrosa fuga de um garoto mal diagnosticado e preso ao próprio corpo”).

“Eu tinha 12 anos de idade, quando cheguei em casa da escola um dia reclamando de uma dor de garganta. Dentro de 15 meses, eu estava em cadeira de rodas, mudo e completamente indiferente. Meus pais foram informados de que eu estava com graves danos cerebrais e certamente morreria”, diz Pistorius.

O jovem explica que “teste após teste”, os médicos não chegavam a um diagnóstico conclusivo: “Tudo o que podiam dizer era que eu estava sofrendo de uma doença neurológica degenerativa. Perdido em meu mundo escuro, sem ver, eu estava acordado, mas sem resposta, sem saber de nada ao meu redor. Meus pais foram aconselhados a colocar-me em uma instituição onde a morte em breve iria chegar para mim. Mas isso não aconteceu”, acrescenta.

Pistorius diz que um dia, cerca de quatro anos após ter adoecido, ele sentiu que começava voltar à vida: “Foram flashes no início: momentos de consciência que me deixavam quase tão rapidamente quanto eles apareciam. Levou tempo para eu perceber que eu estava completamente sozinho no meio de um mar de pessoas: sepultado no meu corpo, porque minhas pernas estavam sem resposta e estáticas, e minha voz não existia. Eu não poderia fazer um sinal ou um som para dizer a ninguém que eu tinha vindo de volta à vida”, lamenta em seu livro.

“Você já viu um daqueles filmes em que alguém acorda como um fantasma, mas não sabe que morreu? Esse é o jeito como eu me sentia, como eu sentia que as pessoas estavam olhando através e ao redor de mim. Por mais que eu tentei mendigar e implorar, gritar e gritar, eu não poderia fazê-los me notar. Eu estava preso dentro do meu corpo: um menino fantasma”, conta o rapaz.

No entanto, Pistorius destaca que quando recobrou a consciência, teve uma companhia inseparável: “Eu estava completamente sozinho, até que Deus entrou na minha vida. Ao acordar uma noite, eu me senti como se eu estivesse deixando meu corpo. Flutuante para cima, eu de alguma forma sabia que eu não estava respirando. Mas eu também entendi que eu não estava sozinho: os anjos me confortavam e me guiavam. Eu queria deixar a minha vida para estar com eles. Eu não tinha nada para viver, não havia razão para continuar minha jornada na Terra. Mas eu também sabia que eu não poderia ir com eles. Eu não poderia deixar para trás a família que me amava e que já havia sido rasgada por minha doença. Eu tinha que ficar”.

O “menino fantasma” então, voltava à vida, segundo suas próprias palavras: “No momento seguinte, a respiração encheu meus pulmões. Com 19 anos, eu estava completamente consciente e sabia que Deus estava comigo, como minha mente trabalhando de volta. Apesar de eu ter crescido em um lar cristão, nós raramente íamos aos cultos e eu nunca aprendi as formalidades da igreja. Mas, apesar disso, eu instintivamente sabia que Deus estava comigo a cada momento”.

Martin Pistorius revela que, num de seus encontros com Deus, falou com Ele: “Talvez se possa chamar de orações, mesmo que meus olhos estivessem abertos e minhas mãos não estavam juntas. Mesmo enquanto eu lutava com a frustração e desespero, eu orei por ajuda, força e perdão para mim e para os outros. Eu dei graças pelas bênçãos que eu tinha e, especialmente, pelas orações respondidas. Poderia ser por algo tão pequeno, como alguém mudar meu corpo de posição (que ficava dolorido após uma hora na mesma posição), ou por algo significativo, como poder orar para que minha família fosse mantida segura, pois eu tinha medo que eles fossem prejudicados. Aprendi com minhas orações que agradecer as minhas bênçãos era encontrar força para sobreviver, mesmo nos momentos mais sombrios”.

O escritor conta que “Deus estava sempre lá, uma companheira constante” para ele, e acrescenta: “E, embora uma parte de mim experimentasse a solidão extrema de estar preso dentro do meu corpo, por outro lado sempre senti a presença do Senhor. Nós compartilhamos algo importante: eu não tenho prova de que Ele existe, mas eu sei que Ele é real. Deus fez o mesmo para mim. Ao contrário das pessoas ao meu redor, Deus sabia que eu existia. Ele estava sempre comigo”.

Em 2001, aos 25 anos de idade, Pistorius diz que sua vida mudou para sempre: “A massagista que trabalhava no atendimento domiciliar começou a suspeitar que eu pudesse entender o que estava dizendo e instou os meus pais para fazer um teste. Na manhã em que eu estava sendo avaliado em um centro de comunicação especializada, eu orei a Deus que alguém visse a inteligência que estava presa dentro de mim. Eles fizeram. Os especialistas perceberam que eu conseguia entender comandos simples e começou a me ensinar como se comunicar novamente – primeiro utilizando cartões de memória flash e switches e software de computador, eventualmente avançados. Dentro de 18 meses, eu era capaz de se comunicar verbalmente usando minha ‘voz de computador’. Eu comecei a palestra sobre comunicação alternativa e fiz trabalho voluntário. Nos anos seguintes, eu já havia me formado com distinção em ciência da computação e montado o meu próprio negócio como um desenvolvedor da web”, relata, feliz pela nova realidade.

Por fim, o “menino fantasma” diz que “mal pode descrever a bênção” que é para ele e sua esposa estarem unidos em matrimônio: “Eu acho que nenhum de nós jamais vai esquecer o sentimento de alegria, felicidade e agradecimento quando dissemos nossos votos e o sacerdote proclamou: ‘Aqueles a quem Deus ajuntou não separe o homem’. Para nós, esse momento era palpável: o fato de que o Senhor nos uniu e nós sabíamos que ele estava conosco quando estávamos unidos em Sua presença foi um momento que vai ficar conosco para sempre. Hoje, Deus está ao nosso redor, sempre lá, sendo uma parte constante da minha vida. Para mim, ser um cristão e ter Deus em nossa vida juntos não é uma escolha, é um fato. Eu continuo a orar ao longo de cada dia, porque sei que Deus está comigo […] Se não fosse a mão de Deus, eu não estaria onde estou hoje. Estou certo disso. Se eu parar e pensar sobre tudo o que aconteceu comigo e com as chances de não só sobreviver, mas voltar à vida, não há nenhuma dúvida em minha mente que isso só poderia ter acontecido através da intervenção divina”.

Fonte: Gospel Mais

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *